carta aberta a Rogério Silva

img064 peq
Caríssimo Rogério Silva,

O trabalho que fizemos nestas páginas com a melhor memória que guardo do vivido e  com tudo o que me deixaste de real e de imaginário está finalmente à vista de toda a gente, isto é, de todos os que tenham a virtude e a vontade de o encontrar e de o contemplar com a mesma vontade e com o mesmo carinho com que foi feito.

Abro esta carta estreitando-te sem mais delongas no mesmo abraço fraterno de quando nos encontrámos e de quando nos encontramos agora. Nós, e nada há a esclarecer a esse respeito, somos daqueles que muito conversam, que muito se encontram e que continuarão a encontrar-se sempre. O meu abraço, tu já o sabes mas é necessário dizer claramente aos nossos visitantes aqui, serve para me congratular com o volumoso sucesso do teu trabalho e os frutos abundantes da tua generosidade que, conforme reafirmo mais abaixo, foram plenamente conseguidos.

Tudo o que fizeste foi visto, apreciado e valorizado por todos os que tiveram a capacidade, a vontade e o gosto de estar presentes. A tua missão foi vasta e preciosa e o fruto dela ficou no coração de todos esses que fomos, não eu nem tu, mas “nós”; Um grupo numeroso de gente, terra fértil em que germinou o teu exemplo. Serviu muito e continua a servir. Como digo noutro lado os Rogérios Silvas fazem falta por todo o lado.

Os Rogérios Silvas são semeadores de sensibilidade, são os que empurram a marcha do homem para a frente. Se poucos os imitam, se poucos seguem o seu exemplo de generosidade desprendida, um dia aprenderão, um dia o farão. E tu, nesse dia, estarás com eles na coragem da tarefa e na alegria da realização. Os Rogérios Silvas são aqueles que inventam a coisa mais simples de inventar: a generosidade de fazer na prática o que se transporta no coração. Há muitos corações infelizmente ainda dormentes no vazio, como há outros em que habita apenas a vontade inconsequente. Mas há um belo dia em que aqueles raros corações que transbordam de sonho e de vontade do sonho são assaltados pela coragem de entregar a obra feita, a atitude concreta. E o melhor das coisas acontece, embora às vezes poucos sejam os que dão por isso.

Já há muito tempo que sonhava fazer estes sítios na net, e tinha medo – com o meu olhar um pouco desfocado por todo o tempo que estivemos longe e calados – de dizer o que não tinha interesse, o que não convinha, de te desagradar em suma, ou de te causar desgosto, o que seria ainda pior. Das tuas terras entretanto não me haviam chegado sinais concretos de memórias maduras e bem conservadas a teu respeito. Resolvi por isso perder o receio de fazer mal o que outros não fizeram, pura e simplesmente. Por um conjunto de razões que hoje não vamos abordar aqui, mas que são substanciais – como agora bem sabes – fomo-nos aproximando mais e mais e a tua ajuda foi preciosa na realização do trabalho. E só por isso pude fazê-lo da forma como está feito.

Quando te conheci em 1969 foi como se tivesse chegado junto de uma grande árvore frondosa, daquelas que tanto me impressionavam quando era miúdo e que tanto ainda me impressionam até à mais profunda comoção. Como frondosa árvore já te achei completo, com dramas, cicatrizes, zonas sombrias e tudo. Abriguei-me no lado do sol, das flores e dos frutos, que foi o que mais abertamente me ofereceste, sem me teres escondido que aquelas outras coisas menos prazenteiras também existiam.

Houve uma coisa que não correu tão bem como eu desejaria. Quem me pôs a trabalhar nos Açores mandou-me para Ponta Delgada, longe de ti. Foi preciso que um outro amigo, o Carlos Faria, tivesse andado por lá de um lado para o outro e servisse de pombo-correio da nossa bela amizade. Acabou tudo por resultar bem, Rogério. Acabei por conhecer-te e acabei por me dar-te a conhecer. Outra coisa que também não correu perfeitamente bem foi teres-te calado tanto, quando regressaste da América. Estavas cansado e triste, eu compreendo. Nem vou alongar-me na consideração de tantas coisas que poderiam ter sido diferentes. O momento a que chegámos é um momento de plena alegria e de celebração dos resultados que atingiste.

Nas recordações que tenho das coisas que me deixaste na tua última visita, estão fotografias de tarefas tuas que julgavas prova de idoneidade na realização de acontecimentos artísticos e outras duas fotos de acontecimentos na tua galeria. Nas costas de uma dessas fotografias está, com pequenos traços a lápis já diluídos pelo tempo, um esquisso que fizeste pelas tuas próprias mãos – ao longo da revisitação da memória – de uma planta da Galeria de Arte Gávea. Lá está a entrada da rua, o apontamento das escadas que subiam para aquele primeiro andar do nº 6 da Rua Pero Anes do Canto e a disposição singela das três salas de exposições com ordenação numérica inscrita por ti: 1, 2 e 3. Nunca fui a Angra do Heroísmo e só agora, com os milagres da internet, tenho a noção exata do local e até uma boa sucessão de imagens daquela rua onde estava a pequena casa com as suas três salas de exposições. A porta com o número 6 não consigo vê-la, e até é bom que permaneça assim, como coisa provavelmente desaparecida.

Gal Gav

Um bom número de pessoas tem tido notícia dos entusiasmos da visitação das artes que ocorreram na Galeria Gávea e daí ao mito vai um passo. Nada é igual ao que o sonho pode configurar na sua visão abstrata e impressiona como uma aventura tão contagiante pode ter-se expandido a partir dum lugar tão modesto. Isso deriva, Rogério, de todo o principal dos gestos humanos estar escondido na vontade sonhada, no desejo embalado pela esperança.

Parabéns Rogério, foi isso que fizeste. Nem os milionários centros culturais, nem as formidáveis fundações, nem os poderosos patrocínios conseguem fazer melhor, nem tanto, nem tão bom: perdurar no tempo e na memória de muitas pessoas como algo vivo e contagiante. Nenhum, que eu saiba, consegue ser tão autêntico, tão cabal, tão liberto da arrogância do poder, tão luminosamente desprendido como tu. Não é o dinheiro, não é o poder nem os mecanismos da propaganda organizada que fabricam o mito, que alimentam a esperança e – muito menos – que ajudam o homem a acreditar em si mesmo como alguém que pode mudar para melhor, ajudando outros a acreditar também. Parabéns Rogério, foi isso que conseguiste. O teu trabalho foi o que foi, não há que contá-lo nem mais largo, nem mais alto, nem imaginá-lo diferente do que tinhas dentro de ti mesmo, comandado pela força metódica do teu espírito e pela determinação da tua vontade.

Que nenhum dos teus amigos, fragilmente lamuriando no intervalo no sonho, diga alguma vez que tudo acabou como talvez não devesse ter acabado. A tua tarefa não acabou, os Rogérios Silvas não desistem nunca, o teu trabalho foi plenamente conseguido e os objetivos que alcançaste formidáveis!… É isso que eu tenho ouvido a muita gente e, mesmo que não tenha sido verdade tudo, ou que tenha sido verdade de outra maneira, foi enorme.

Nós, pelo canal que bem conheces, não precisamos de nos despedir. Até já, Rogério.

José

um desenho original, a negro, de Rogério Silva (“esquecendo tempestades”), resultante de uma colaboração entre nós ambos (ver, por favor, Rogério Silva visto pelos meus olhos).

um desenho original, a negro, de Rogério Silva (“esquecendo tempestades”), resultante de uma colaboração entre nós ambos (ver, por favor, Rogério Silva visto pelos meus olhos).

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s