mais recordações de afectos

mos Jar J 01A jarra do lado esquerdo foi fabricada numa oficina do Juncal de Porto de Mós que, durante o século XX exportou imensa loiça para o estrangeiro. Ofereci um bom número de peças dessas a amigos estrangeiros e tenho pena de não ter guardado umas tantas também para mim. Esta lá resistiu à paixão da oferta…
Porque cessou de laborar essa fábrica, não sei dizer. Também muita loiça notabilíssima, antiga, e merecedora de galas de prestigiados museus foi deitada fora, partida sem dó. Neste risonho e soalheiro país a distracção sem nexo e as cabeças cheias de areia e água chilra não são só de agora…

Estas duas imagens, apresentadas assim, enganam um bocadinho. As jarras propriamente ditas não são tão iguais no tamanho. A direita (e essa é das antigas…) é mais pequenita que a outra.

A da esquerda, mais regularmente industrial, possui uma cor muito genuína, a luz reflecte-se nela com a mesma suave alegria e as mãos que a pintaram são do mesmo sangue e do mesmo povo que deu vida à do lado direito.

Quem inventou todas estas subtilezas da sensibilidade que ilustram a nossa tradição artística não foram as competências sentadas nos cadeirões: foi o coração, os olhos e as mãos calejadas da gente simples…

Por isso tem sido tudo tão mal amado e até – como se prova facilmente – abandonado sem prazer nem proveito para uns e para outros…

 

.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s