Carta aberta às entidades que organizam exposições

 

 

Publicado Diário de Coimbra 14 de Junho de 2001

Encontrei João Dixo quando estava envolvido na montagem da sua exposição.
Por aqui e por ali, sem os primores de arrumação que as obras expostas irão depois adquirir, as pinturas eram já perfeitamente contempláveis.
A atitude de objectos ainda não colocados na sua posição “correcta”, acentuava-lhes o valor de paisagens ou visões legíveis numa pluralidade de ângulos, numa diversa e complementar variedade de abordagens.
Começando pelas cores, surpreendem-me pela intensidade de contrastes e limpidez de tons, que se insinuam como memórias da infância. Geralmente desalinhadas do mais óbvio das cores primárias, conduzem a visão para uma área de fascínio quase hipnótico, perto da vertigem ou da percepção de coisas de que nos lembramos sem jamais tê-las visto.
Passando depois às imagens é igualmente num território de indeterminação que nos encontramos. Cada figura mais elaborada, cada alusão casual, cada composição paisagística, tudo peças encaixáveis conforme a malha de referências culturais ou a energia imaginativa do observador.
O pitoresco, o secreto e o irónico dão-se as mãos, organizando exercícios do olhar que se aventuram por vezes para fora das dimensões do campo ou  conquistando a parcela diminuta, mas vibrante, duma margem lateral da tela. Sem esquecer as acentuações que se materializam sob a forma de apêndices, brinquedos e objectos simbólicos, ou a invulgar titulação das obras.

A pintura, exercício de transcendência

“Eu só posso ir a um museu ver imensas coisas num quadro se lá for inventá-las com o meu olhar, vendo esse quadro em silêncio e respeito, com afastamento, numa atitude que tem algo de sacro, não tocando”, diz-me o artista.
É a esse “exercício de transcendência” que nos convidará a arte mais uma vez e sempre. “Eu é que faço o milagre e não o milagre que me faz a mim”, acrescenta.
Presente em Coimbra desde 1966 e aqui continuadamente activo no exercício da pedagogia artística, foi professor da Faculdade de Belas Artes do Porto, responsável pela grupo de desenho do Departamento de Arquitectura da FCTUC desde a sua criação, é Director da ARCA/ETAC e responsável pela Licenciatura de Pintura ministrada nessa mesma instituição.
Conduziu, além de tudo isso, uma actividade multidireccional no campo das artes plásticas e da pintura cujo detalhe não cabe nas limitações desta breve crónica.
Alongo a troca de impressões com João Dixo em torno dos conceitos que tem desenvolvido sobre a pintura nos dias de hoje, abrangendo numa visão relâmpago a sua enorme transformação desde os tempos remotos em que possuía funções de vário tipo, como veículo  e suporte de imaginários dificilmente encontráveis noutra forma de comunicação expressiva.
“A pintura de hoje não é herdeira da pintura do Renascimento. Os seus herdeiros são os inumeráveis meios de comunicação, dos jornais à internet e à televisão”, esclarece.
A pintura sobrou como processo técnico, como teria sobrado uma charrette antiga com a qual já ninguém se transporta daqui para ali, mas na qual ainda podemos fazer uma viagem integralmente dedicada ao prazer, à contemplação, à descoberta de nós mesmos e do mundo.
“Vamos a um museu ou a uma galeria de arte não para assistirmos a uma função, mas para irmos espreitar a nossa capacidade criadora ou para buscar as referências que soubermos encontrar relativas à história da pintura.”

Milionários, precisam-se

João Dixo não mastiga as palavras referindo-se a questões materiais de certo tipo. “Os artistas são feitos pelo mercado”  afirma.
E há uma constatação a que não foge: sendo os pintores pessoas que não sabem fazer senão coisas supérfluas, criadas apenas com fim em si mesmas, para usufruto especializado e prazer de quem as contempla, são evidentemente necessários os milionários que lhes possibilitem subsistir e materializar obras que deverão ser “quanto mais caras, melhor”.

A mesa acesa da pintura

De tampos rígidos de brilho espesso,  ali estão esses objectos de simbologia entendível, esses que  Manuel António Pina define com a lucidez eloquente do poema inserido no catálogo: “Crueldade de frutos e de flores, /ócios de azul, odores, sabores, / tudo o que sem finalidade dura / serves à mesa acesa da pintura. / Puseste-nos a mesa para uma comida /que a si mesma se come /com uma pueril e insaciável fome /de exterioridade e vida…”;
Convivas somos, pois, no lugar simbólico do mais feliz e descomprometido encontro que é possível conceber: o que associa a essencialidade e o supérfluo, a necessidade e o prazer, o público e o privado
Convivas somos, pois, dum repasto cujas iguarias nos são fornecidas pelo seu autor, mas cuja elaboração nos é confiada podendo, para além disso, temperar a gosto a variedade das múltiplas soluções interpretativas. As mesmas que qualquer obra de arte deve permitir como espaço de ambiguidade onde cabem todos os acidentes e excepções, e que são marcas indeléveis da sua liberdade criativa e da sua genuína autenticidade.

As “Mesas da Cultura” de João Dixo, até 27 de Maio, na Casa Municipal da Cultura.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s